Você está aqui ->
Home > Na Quadra e no Campo > Futebol > E.C. Vitória > A concessionária Mancini

A concessionária Mancini

Quem assistiu ao último jogo do Vitória na Copa do Brasil frente ao Internacional, certamente foi atraído pelos dois erros fatais que acabaram resultando em gols, tanto de um lado como do outro. Isto é óbvio, mas infelizmente não sintetiza o que foi o jogo, ao menos não na perspectiva do Vitória. Olhar o modo como o placar foi construído é somente uma forma de apontar os culpados. Neste quesito é “preciso dar a Cesar o que é de Cesar” Sendo assim é preciso por na conta de Mancini esta derrota.

A escalação de Rodrigo Andrade (volante improvisado) na lateral direita, tendo no banco Lucas, especialista da posição, é um mistério sem explicação. Andrade é um bom jogador, porém não tem o cacoete necessário. No ultimo clássico deu espaços homéricos para o ataque do adversário e ontem cometeu faltas bobas.

Eu pensei: – Mancini não começou com Lucas por que está poupando o time para estréia no brasileiro (se a idéia dele foi esta, foi uma idéia de mer#$@). Não faz o menor sentido experimentar jogadores tendo especialistas no banco de reserva. Em campo, com o time que iniciou a partida começamos com, Uilian Correa, Wilian Farias, Rodrigo Andrade e ainda José Welison e Lucas Marques. Foram tantos volantes na partida que Mancini precisa abrir uma concessionária. “Apapoorra”!

Nosso capitão precisava de ritmo de jogo, é evidente. Mas por que não começar o jogo com José Welison, melhorar a saída de bola, sacar Botelho que já é lento por vida e começar com Juninho? No meio da partida, com o jogo morno, nós conseguindo tomar pressão de um Inter limitado, ai Mancini tem a idéia genial de por Lucas, Walisson Maia e Welison na partida, ou seja retrancar ainda mais a equipe. Que Po$##% Macini!

Mancine tem crédito, mas já começamos perdendo

Antes de o jogo começar nossa derrota já estava preparada. Digo isto por que nosso treinador foi ao Beira Rio com um time montado taticamente para jogar pelo empate. Foi uma mudança covarde de postura que culminou numa derrota e acabou sendo posta nas costas de um menino de vinte anos. Este certamente foi o Internacional mais fraco que enfrentamos no histórico dos confrontos que agora está empatado em número de Vitórias.

É notório que Mancine tem um crédito absurdo com a torcida e a diretoria. Fez um trabalho consistente e nos tirou do rebaixamento ano passado jogando de forma precisa , com solidez defensiva e contra-ataques mortais, ontem decidiu mudar tudo isto e se apequenar, não deu certo, agora é preciso acordar.

Emerson Leandro
Emerson Leandro Silva, torcedor do Vitória, escritor, Micro-empresário, fotógrafo, webwriter, designer e atleta aos fim de semana.
http://esportebaiano.com

Deixe uma resposta

13 − 11 =

Top