Você está aqui ->
Home > Na Quadra e no Campo > Futebol > E.C. Vitória > Argel, Mal necessário?

Argel, Mal necessário?

Ontem, durante a partida, um amigo rubro negro que assistia a partida me perguntou “e ai, tá achando o que?” eu prontamente respondi “ruim demais o Sergipe” e assim que proferi essa frase percebi o quão difícil é elogiar o Vitória. É que embora os números de Argel sejam impactantes é inadmissível enfrentar uma equipe como o Sergipe, tomar pressão e considerar que a baixa qualidade técnica do adversário contribuiu muito para nosso triunfo.

Os caras entraram em campo com três volantes e o que o sábio do Argel faz? Monta o time com David, Kieza e Cleiton Xavier, põe um lateral mais lento e que apoia menos que Euler, dá uma entrevista dizendo que a obrigação é vencer, senta e ora. O pior é que deu certo, então senhores… Estamos classificados e seguimos na competição com apenas uma derrota, o resto é conversa.

Ontem foi a primeira vez no ano que vi o Vitória em campo dominando muito claramente a partida em alguns momentos, girando a bola e fazendo o adversário cansar com toques curtos e movimentação clara. José Welison, embora eu ache um bom jogador, tecnicamente é inferior Uilian Correa, que deveria estar jogando. Dito isto David estava em uma noite inspirada ontem, iniciou o lance do primeiro gol e acertou aquela pintura de fora da área.

Uma ressalva precisa ser feita, além do repetido discurso de Argel quanto aos seus números como prova da qualidade de seu trabalho. Este time que ele tem nas mãos, embora não tenha apresentado um bom futebol e vencido, se faz necessário observar que tem muito pouco tempo de montado e sob esta perspectiva o trabalho de Argel é incontestável. Enquanto torcedor sempre vou querer que meu time esteja numa crescente, mas há que se considerar a possibilidade de estarmos de “má vontade com Argel” inclusive este escriba que vos fala.

Na vida prática o que contam são os números, ponto pra Argel. Na teoria o que queremos é um time que vença e ao mesmo tempo encante. A seleção de 82 era isto, ficou para história, mas não venceu a copa do mundo. A pergunta que não quer calar é: O que é mais importante conquistar títulos ou agradar o torcedor? E se Argel com este jeito claudicante de “treinar” seu time mostrar que é o caminho para o título nacional projetado ano após ano por nossas diretoria? E se Argel for um mal necessário?

 

Emerson Leandro
Emerson Leandro Silva, torcedor do Vitória, escritor, Micro-empresário, fotógrafo, webwriter, designer e atleta aos fim de semana.
http://esportebaiano.com

Deixe uma resposta

2 × quatro =

Top