Você está aqui ->
Home > Na água e na Areia > Surf > Bernardo Lopes(Bino) vence etapa Supersurf na Joaca

Bernardo Lopes(Bino) vence etapa Supersurf na Joaca

O baiano Bino Lopes, 27 anos, conquistou um título inédito para o seu estado neste domingo com a vitória sobre o experiente carioca Leonardo Neves, 35 anos, na decisão do Oi SuperSurf de Florianópolis na ensolarada Praia da Joaquina, em Santa Catarina. Ele foi o primeiro surfista da Bahia a vencer etapas da principal competição do circuito da Associação Brasileira de Surf Profissional (ABRASP). Bino surfou a melhor onda da bateria para faturar o prêmio máximo de 15 mil Reais e subir da 22.a para a segunda posição no ranking, que continua com o paulista Flavio Nakagima na frente. No entanto, a disputa do título agora está embolada, com a diferença entre o líder e o nono colocado não chegando a 2.000 pontos. São vários surfistas com chances de ser campeão brasileiro na última etapa do Oi SuperSurf 2015, nos dias 7 a 11 de outubro na Praia de Itaúna, em Saquarema (RJ).
“Estou até sem palavras, é muita emoção. Este último mês tem sido incrível para mim porque eu consegui uma vitória no Circuito Mundial lá na França (QS 1500 em Anglet) duas semanas atrás, agora aqui também e só tenho que agradecer a Deus, meus amigos, família, patrocinadores e todas as pessoas que estão sempre comigo nas horas ruins e nas horas boas”, disse Bino Lopes. “Hoje (domingo) Deus me abençoou para conseguir pegar boas ondas nas baterias. Eu sabia que a final ia ser incrível, porque o Leo Neves é um grande ídolo nacional, já foi do WCT e é um cara muito experiente que eu assisto desde criança. Eu fiz uma estratégia de pegar as esquerdas e deu certo, finalizei com um 8,5 que me garantiu a vitória”.
Com os 6.000 pontos recebidos no Oi SuperSurf de Florianópolis, Bino Lopes entrou na disputa direta pelo título brasileiro, que não é conquistado por um surfista da Bahia desde os tempos de Jojó de Olivença, campeão em 1988 e 1992. Bino também foi o primeiro baiano a vencer etapas do SuperSurf em toda a história da competição que promoveu o circuito nacional mais rico do mundo entre 2000 e 2009 e retornou agora com o patrocínio da Oi e da marca de surfwear Smolder, com participação de Furnas. A decisão do título só não foi mais emocionante porque faltaram ondas na Praia da Joaquina para os dois competidores mostrarem o surfe que os levaram até ali.
“Infelizmente aconteceu isso de não entrarem muitas ondas boas na bateria, o que acontece porque nosso esporte depende da Natureza. Mas, já estava sendo agonizante desde as baterias anteriores”, destacou Bino Lopes. “Estava realmente bem difícil, o intervalo entre as séries muito alto, mas deu tudo certo para mim. Hoje era o meu dia e agora é ir com muita confiança para a próxima etapa em Saquarema. Eu costumo surfar bem lá nas esquerdas da Praia de Itaúna e espero manter o ritmo para conquistar outro bom resultado, mas sem botar pressão por estar em segundo no ranking agora”.
DECISÃO DO TÍTULO
A grande final começou depois de uma homenagem à Vilma, a “Mãe dos Surfistas” que morava na Praia da Joaquina e faleceu esse ano. A decisão do título foi inaugurada pelo carioca Leonardo Neves numa esquerda que abriu a parede para ele fazer três manobras e largar na frente com nota 6,17. Bino Lopes logo faz sua primeira apresentação também nas esquerdas da Joaca e recebe 5,17. Não demorou e o baiano pegou a segunda onda antes do carioca para tirar 5,60 e assumir a liderança.
Enquanto Leo Neves preferiu aguardar pela entrada de ondas melhores, Bino optou em ficar mais ativo, arriscando em todas até achar uma esquerda que armou a parede para ele desferir uma série de três manobras potentes de frontside e arrancar 8,5 dos juízes, abrindo uma larga vantagem de 7,94 pontos sobre o carioca. O tempo foi passando e a situação era a mesma quando soou o sinal dos 5 minutos finais da bateria. Só que não entrou mais nada de onda e a primeira vitória de um baiano na história do SuperSurf foi confirmada por 14,10 a 8,90 pontos.
“Pena que o vento ficou muito forte durante a bateria e o pico que eu tava surfando não deu mais onda. O Bino (Lopes) deu sorte porque a gente estava fugindo mais pro meio da praia e entrou uma onda muito boa para ele que foi decisiva na bateria”, contou Leonardo Neves. “Depois eu boiei bastante com a prioridade, achando que ia vir uma onda boa e acabou que não veio, mas estou feliz pelo resultado. Foi um campeonato longo, cheguei aqui domingo passado e estou amarradão por ter chegado na final com a galera da nova geração arrebentando, mostrando que o Brasil tem um alto nível de surfe. Só falta a galera apoiar os atletas para eles conseguirem chegar no WCT e realizarem o sonho que eu já vivi anos atrás”.

Fonte: http://oisupersurf.com.br/noticias#.VfrdLdJVikp

Deixe uma resposta

15 + três =

Top