Você está aqui ->
Home > Esporte Olímpico > Esporte Baiano > Futebol > E.C. Bahia > A estréia (Da ressaca a ressacada)

A estréia (Da ressaca a ressacada)

Depois de uma semana de comemoração pelo título no Baiano, eu volto a escrever neste espaço. É que acordei com uma ressaca daquelas logo após o titulo que decidir seguir o conselho que diz que para “evitar a ressaca é só permanecer bêbado”. Coincidentemente nosso jogo de estreia no Brasileirão foi no estádio da Ressacada. O Resultado foi um indigesto 0x0 com sabor de  derrota.

O jogo de estreia marcou um começo nada bom para o leão. Talvez tenhamos nos acostumado a enfrentar os times pequenos de nosso estado e na estreia começamos em marcha lenta. Começamos sem  nosso elenco completo e felizmente a estreia foi contra o fraco Avaí. Era esperado que fosse um jogo difícil? Sim. Foi? Não, longe disto.

Acredito que a decisão de por Peta frente do Leão foi uma medida que pode dar certo, mas que também pode dar muito errado. Incomoda-me profundamente é que já tenham sido feitos prognósticos pela imprensa e parte da torcida de que tal medida não dará certo. A medida é arriscada sim, mas as contas do Vitória e de uma serie de times da serie A aumentaram consideravelmente por conta do aumento de impostos. Ainda é cedo, Pet não fez nada, nem para o bem, nem para mau… E ainda contamos com a cegueira do juiz que não marcou um pênalti grotesco contra a gente.

Tirando ondinha

O jogo foi de uma morosidade absurda e repetiu os mesmos problemas já conhecido da nação rubro-negra. Então vamos aos fatos:
A Avenida Jeferson: Segue livre em nossa ala esquerda. O condutor que desejar chegar ao gol do Vitória de forma tranquila e segura encontrará nesta estrada uma tranquilidade absurda, pra fazer o que bem entender livre de empecilhos. Sem sombra de dúvidas seu passeio será tranquilo. O cara não consegue acertar um mísero cruzamento na área, é o famoso “lateral-piolho”… Todas vezes que pega na bola a torcida coça a cabeça.

Alan Costa: É uma piada, lento, muito lento, leeeennto mesmo. Assim como Jeferson foram trazidos por Argel (que Deus o tenha), deve ser a este tipo de coisa que Renata Fã se referia quando falou de “herança maldita” de Fucks.
Patrick: É um bom lateral, mas sem um meia para fazer triangulações, poderá usar as rodadas do brasileiro para treinar para o 100 metros.

Uilian Corrêa e Wilian Farias: São indispensáveis em nosso meio-campo um é o barril na contenção e liderança dentro de campo o outro desarma e sobe ao ataque com qualidade invejável. Na verdade Farias é Dunga e Corrêa é falcão (sem clubismo).

Rafaelson, David e Cleiton Xavier: Só soube que foram escalados por que vi o narrador falar os nomes deles algumas vezes. O menos culpado é Rafaelson que não recebeu uma bola aceitável.

Paulinho: No dia que ele encontrar o futebol que ele imagina que tem o Vitória estará bem, por enquanto é um tri-atleta; pedala, corre e nada. Pior que ele só PinADA. Quem foi que trouxe esse menino, véi?

Emerson Leandro
Emerson Leandro Silva, torcedor do Vitória, escritor, Micro-empresário, fotógrafo, webwriter, designer e atleta aos fim de semana.
http://esportebaiano.com
Top