Você está aqui ->
Home > Esporte Olímpico > Esporte Baiano > Futebol > E.C. Bahia > Triste, Bahia – ó quão dessemelhante

Triste, Bahia – ó quão dessemelhante

No sábado, dia 21, precisei ir à Nazaré das Farinhas para parabenizar uma grande figura da Bahia. Norival Moreira de Oliveira, o Mestre Nô, completou 50 anos de mestria na arte da Capoeira. Após o evento, em meio a famosa “papoeira” e o churrascão no Rancho Palmares chegou a triste notícia para contrastar com a festa. O Bahia tomou 2×1.

Não houve nenhuma surpresa. Afinal, era o mesmo Bahia que havia perdido pra Palmeiras, Chapecoense, com o mesmo esquema de 3 zagueiros e que despejava na grande habilidade de William Barbio, toda a esperança de uma assistência para gol. Só que o Zé Pequeno só joga 45 minutos… e, é claro, está longe demais de ser um craque de futebol. 

O Bahia de Charles é o mesmo de Marquinhos e Kleina. O mesmo time que fez muita festa para trazer um 10, quando na verdade precisava de um 9. O mesmo time cujo o 10 não demorou nem uma semana em solo nacional e vendeu o 8 que tinha, ficando sem nenhum desses 3 números. Aí não havia esperança. Havia apenas, a Torcida. 

Não vi o jogo, por isso nem posso comentar sobre ele. Porém, as coisas se repetiram tanto, que arrisco a dizer: o time entrou com três volantes, não conseguia finalizar as trocentas jogadas que organizava, aí com 10 ou 20 minutos do segundo tempo, Charles tirou um ou dois volantes e colocou Barbio e Lincoln para tentar reverter a besteira que fez.

O certo é: a série b já nos bate a porta. Como disse, não acredito em milagres, por isso já liguei pra Sky para apreçar o pacote da Segundona/2015.

Bora Baêa Minha Porra! Bora pra série b, de novo. Espero que as lições do passado sirvam para nao serem repetidas. Pois se a “b” é ruim, a “c” foi deprimente. Na minha opinião, sem querer sacanear os simpatizantes do time co-irmão, o Z4 já está definido. O time mais indisciplinado na lanterna. O mais endividado em penúltimo, o pior ataque em 18º e o lanterna da rodada final, da primeira fase, (apenas para manter a tradição). 

Uma tristeza para o futebolbahiano. A única coisa comemorada pela Nação Tricolor, foi o Campeonato Baiano de 2014. Para os rivais, apenas o rebaixamento antecipado na próxima rodada poderá deixá-los felizes. O certo, mesmo, é que voltaremos a cantar a bonita melodia: vamos Subir Esquadrão, novamente… e tome Xalaialaiá!!!

Erick Cerqueira
Publicitário, publicitário, pós-graduado em Gestão Esportiva, designer, blogueiro, Torcedor do Bahia e pai de Thor Cerqueira.
http://erickcerqueira.com
Top